Artigos

Asma ou Bronquite Asmática


Conceito

É uma doença inflamatória crônica das vias aéreas, caracterizada por episódios recorrentes de dispnéia, chiado e tosse, que se manifesta principalmente durante a noite ou início da manhã.

Estes sintomas estão associados à obstrução dos brônquios, reversível espontaneamente ou com tratamento. O processo inflamatório está relacionado com uma maior sensibilidade dos brônquios a vários estímulos.

O número de casos de asma está em torno de 5 a 8 % da população mundial. Por causas ainda pouco compreendidas, a mortalidade desta doença está aumentando no mundo inteiro, mesmo com o avanço dos estudos e novos medicamentos disponíveis para seu tratamento.

Sintomas

• Crise asmática: a manifestação dominante é a dispnéia, associada a chiado no peito, de início geralmente gradual, que aumenta em minutos ou horas, e é acompanhada de ansiedade e tosse com pouca expectoração viscosa. Uma infecção pode ser fator desencadeante ou complicador da crise. Geralmente estes sintomas melhoram com o tratamento. Entretanto, às vezes a crise se prolonga e não cede à medicação usual, ocorrendo o chamado "estado de mal-asmático".
• Período intercrítico: entre as crises, o paciente pode estar completamente sem sintomas nas formas leves da doença. Porém, é muito comum a persistência de dispnéia aos esforços com chiado e tosse esporádicos.

Tratamento

A finalidade do tratamento deve ser ajudar o asmático a viver como se sua asma não existisse, realizando o tratamento de suas crises e dos períodos intercríticos.

No tratamento são usados medicamentos como broncodilatadores, mucolíticos, antibióticos, corticóides e sedativos. São importantes também a psicoterapia de apoio, a hidratação e o controle dos fatores ambientais. Todas estas opções serão apropriadamente orientadas pelo seu médico.

Como os asmáticos diferem imensamente entre si quanto aos agentes desencadeantes, forma clínica, severidade e, principalmente na forma de se relacionar com a sua doença, não é possível estabelecer um esquema único para o tratamento da asma.

Prevenção

A melhor conduta é evitar os fatores desencadeantes por meio do controle ambiental, principalmente evitando a poeira do ambiente domiciliar pela presença dos ácaros.

A imunoterapia, ou hipo-sensibilização, é realizada com vacinas compostas por antígenos inaláveis (substâncias que provocam a alergia), quimicamente modificados, purificados e padronizados após identificação do alérgeno relevante. Esta imunoterapia específica deve ser indicada e supervisionada por um alergista experiente com estrutura para atender as eventuais reações colaterais.


DPOC - Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica: Bronquite Crônica e Enfisema Pulmonar
Conceito

Doença pulmonar obstrutiva crônica é uma denominação muito usada para o paciente com bronquite crônica e/ou enfisema pulmonar que, com freqüência, coexistem no mesmo paciente, predominando uma ou outra, sendo que ambas têm como principal agente causal o cigarro.

Assim mesmo, o dióxido de enxofre e as partículas suspensas produzidas pelos combustíveis, que constituem a poluição atmosférica, são outras causas de DPOC. Existe também uma predisposição hereditária, particularmente ao enfisema, nas pessoas com deficiência de uma substância do sangue chamada antitripsina alfa-1.

A bronquite crônica e o enfisema pulmonar são doenças bem definidas. Entretanto, dada a elevada ocorrência das duas em um mesmo paciente, muitas vezes o médico diagnostica DPOC, sem individualizar esta ou aquela doença.

Bronquite crônica

Esta doença é caracterizada por tosse crônica com expectoração abundante durante 3 meses ao ano, por 2 anos consecutivos, não resultando de outra causa definida como tuberculose, bronquiectasias e outras.

Enfisema pulmonar

Nesta doença, ocorre a alteração irreversível do pulmão, caracterizada por um aumento de volume dos espaços aéreos distais aos bronquíolos terminais, com destruição dos septos alveolares, cujo sintoma principal é a dispnéia, de instalação lenta e progressiva durante meses ou anos, geralmente em pessoas fumantes.

Sintomas

Bronquite crônica

• Tosse crônica com expectoração abundante, manifestando-se principalmente em pessoas de meia-idade e tabagistas;
• Dispnéia, chiado no peito e incapacidade física, mais acentuados quando é complicada com infecções pulmonares.

Enfisema pulmonar

O início dos sintomas costuma ocorrer após os 50 anos de idade, sendo raro em não-fumantes.

• Dispnéia, de instalação longa e insidiosa, aparecendo quando a destruição pulmonar é maior que 50%;
• Tosse, geralmente seca;
• Perda de peso e diminuição generalizada da massa muscular;
• Aumento dos diâmetros do tórax.

Tratamento

A medida terapêutica mais importante na DPOC é a supressão do fumo.

O programa terapêutico, amplo e multi-profissional, inclui também a importantíssima participação da família.

• Medicamentos: os mais usados são os broncodilatadores, corticóides, antibióticos, mucolíticos e fluidificantes. Porém, deve ser sempre lembrado que o uso destes medicamentos é acompanhado de outras medidas igualmente importantes.
• Fisioterapia respiratória, para corrigir e melhorar a função respiratória.
• Melhora do estado nutricional, muito importante para a melhora da força dos músculos respiratórios e do organismo em geral.
• Oxigenioterapia intra-hospitalar e domiciliar.
• Reabilitação do paciente com DPOC: é hoje a principal estratégia no tratamento, visando recuperar o indivíduo do ponto de vista físico, psicológico e social.

Prevenção

Todos os fatores que causam ou agravam as DPOCs devem ser evitados ou combatidos.

• Supressão do fumo: por ser o fator causal mais importante, sua eliminação obviamente evitará o aparecimento ou piora da DPOC.
• Exposição ambiental: evitar poeira, fumaça e gases irritantes.
• Tratar precoce e adequadamente infecções bacterianas e virais do aparelho respiratório.
• Evitar o ar-condicionado, pois este resseca o ambiente.
• O uso de vacinas contra a gripe e pneumonia é de grande benefício aos pacientes para prevenir complicações.
Provas de função pulmonar, provas ventilatórias ou espirometria
Provas de função pulmonar determinam a quantidade de ar que uma pessoa expira e a rapidez dessa expiração.

As provas são utilizadas no diagnóstico de doenças pulmonares como asma , bronquite crônica e enfisema . Para esclarecimento de tosse desconhecida e dispnéia( falta de ar). Também para acompanhamento e uso apropriado de medicamentos em determinadas doenças dos pulmões.

Estas provas são realizadas com o aparelho chamado de espirômetro que registra o volume e o fluxo de ar que os pulmões podem expirar.


Aerossol, aerossolterapia ou inaloterapia
Aerossol terapêutico é uma suspensão de finas partículas líquidas ou sólidas de medicamentos em um gás.

Como as partículas são muito pequenas (5 a 10 micras de diâmetro), podem atingir até as pequenas vias aéreas.

Os aerossóis são produzidos com ar comprimido, oxigênio ou aparelhos de vibração ultra-sônica e permitem levar água até as vias aéreas.
A finalidade dos aerossóis é auxiliar a liquefação das secreções ou administrar medicamentos de ação local nos brônquios, muitas vezes com menos efeitos colaterais do que quando administrados por via oral ou injetável.

Durante a inalação de aerossóis o paciente deve realizar movimentos respiratórios lentos e mais profundos que habitualmente, prendendo a respiração por alguns segundos após cada inspiração.

Espaçador ou aerocâmara
Espaçador ou aerocâmara é um dispositivo colocado entra a boca do paciente e o bocal do nebulímetro, mais conhecido como "bombinha", aparelho utilizado para a inaloterapia. O espaçador serve para facilitar o uso da bombinha e diminuir suas dificuldades, cumprindo as seguintes funções:

• Evitar a necessidade de sincronizar o ato de acionar a bombinha com a inalação do medicamento liberado;
• Reter as partículas maiores, não-apropriadas para a inalação diminuir a velocidade do jato da bombinha;
• Eliminar o impacto do jato frio na garganta, seguido da deglutição do medicamento;
• Reduzir o gosto, às vezes amargo, do medicamento;
• Melhorar o aproveitamento do medicamento e diminuir os efeitos indesejáveis.
A bombinha não gera problemas cardíacos e não vicia

Conheça o Clube Cardoso Marques!